Dica do Professor 01 – Composição e Gênero

Sejam todos muito bem-vindos! Esse é o Dica do Professor, um canal da Pandora Escola de Artes para falar sobre ilustrações e desenho, porque há muito mais entre o lápis e o papel do que tinta. A partir de hoje você não estará mais desacompanhado em sua batalha contra os desafios de desenho bem estruturado. Que a batalha comece!

“Espada Selvagem”   Vitor Gorino  2013

“Espada Selvagem”
Vitor Gorino
2013

Cenas de batalha como esta aí em cima, hoje em dia estão por todo lado: em ilustrações, filmes, games, histórias em quadrinhos, capas de livros, pôsteres de filmes etc. No campo da ilustração, o personagem acima, “Conan, O Bárbaro”, ficou muito conhecido por cenas desse tipo. Elas se tornaram muito populares nos anos 1960, pelo trabalho de artistas que ilustravam as capas dos livros de aventura estrelados pelo famoso personagem:

Frenético Capa para o livro “Conan, o conquistador”  Frank Frazetta 1967

Frenético
Capa para o livro “Conan, o conquistador”
Frank Frazetta 1967

A maneira de desenhar/pintar essas cenas de batalha, ou melhor, o jeito que os dois ilustradores escolheram pra representar a cena, não é uma invenção deste século. Esse “estilo” de representar vem da chamada Pintura Histórica:

“Batalha do Avaí”   Pedro Américo  1877.

“Batalha do Avaí”
Pedro Américo
1877.

“O termo se aplica à pintura que representa fatos históricos, cenas mitológicas, literárias e da história religiosa. Em acepção mais estrita, refere-se ao registro pictórico de eventos da história política. Batalhas, cenas de guerra, personagens célebres, fatos e feitos de homens notáveis são descritos em telas de grandes dimensões.”

Já sabemos quem é o personagem e de onde vem o estilo da cena, mas como desenhar cenas tão cheias de personagens e elementos? Como se faz uma composição desse tipo? Há muitas maneiras, é claro. Aqui vai uma delas:

Arte_conan_dica A

Em primeiro lugar, o enquadramento. O formato quadrado é meio desconfortável pra se usar na maioria dos casos. Isso porque ele não dá muito espaço de “respiro” (espaços vazios) que ajuda a composição a não ficar tão sufocante. A variação retangular da cena na imagem acima demonstra isso. No caso, o quadrado foi escolhido justamente para usar esse “sufocamento”, essa tensão, para transmitir melhor a intensidade da batalha na cena.

Arte_conan_dica B

Outro aspecto: nossa visão funciona por contraste. Quanto maior a diferença entre cores, formas ou claro e escuro, melhor conseguimos distinguir uma imagem. No diagrama acima, à direita, vemos que as duas partes da composição estão organizadas a partir de formas diferentes. Na parte de cima, o personagem principal está colocado numa forma triangular, mais rígida, que cria um grande contraste com as curvas formadas pelos corpos na parte de baixo. Linhas curvas em oposição a linhas retas. Não é difícil enxergar esse triângulo também como a forma mais “agressiva” da composição, reforçando a dramaticidade da cena. Por fim, como na leitura ocidental partimos da esquerda para a direita, nossos olhos escalam esse triangulo pela perna esticada do personagem até chegar às suas mãos. A espada é a linha “final” da leitura, que nos direciona até a figura do último inimigo derrotado na batalha.

Vencemos a batalha por hoje, mas muitas outras virão. Acompanhem nosso blog e sigam-nos no Facebook para mais dicas. Abraço a todos, e até a próxima!

 Vitor Gorino

...Shares
Esta entrada foi publicada em Dica do Professor e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta