Dica do Professor 03 – Cor e forma na composição

Bem-vindos de volta ao terceiro “Dica do Professor”, seu canal de discussão de ilustração e desenho! Hoje vamos nos aprofundar sobre corese forma na composição. Como vimos na semana passada, um conjunto de cores definido (paleta) pode colaborar muito na organização da imagem, além de incrementar muito a ilustração! Vamos ver um excelente exemplo de harmonia entre as linhas (contornos) e as cores de uma composição:

“Dragon Ball”   Caio Yo  2013

“Dragon Ball”
Caio Yo
2013

Nesta cena, o ilustrador e professor da Pandora Escola de Artes, Caio Yo utilizou as cores para separar muito bem os planos e formas da ilustração. Em casos como este, o desenho (linhas escuras) é apenas o contorno das figuras, ou seja, todos os efeitos de luz e sombra (volume das formas) são feitos com as cores. Na próxima imagem, comparando o preto e banco com o colorido, percebemos o trabalho cuidadoso feito em cores para criar efeitos de profundidade, ajudando na leitura da imagem e aumentando muito a impressão que a imagem causa em nós.

Arte_02

Esse “poder de impressão” da imagem tem muito a ver com a “força” das cores utilizadas. No fundo da imagem colorida, a cauda do dragão se mistura com o céu, em cores claras, misturadas com muito branco. Já na frente, a cabeça do dragão e Goku (o famoso personagem principal de “Dragon Ball”) mostram cores muito mais “fortes” (saturadas) e escuras. Essa diferença das cores do fundo para frente cria a sensação de muita profundidade, transformando o dragão em um imenso dragão! Esse efeito é conhecido como perspectiva cromática ou perspectiva atmosférica. Usando variações de claridade e saturação (força) nas cores, é possível criar um efeito bem acentuado de profundidade, veja nas imagens abaixo como o mesmo efeito é visível nas montanhas ao fundo das duas composições:

Esquerda: Fiordes Noruegueses Fotografia de autoria desconhecida Direita: A Virgem dos Rochedos Leonardo  Da Vinci 1483–1486 Museu do Louvre Saiba mais: http://pt.wikipedia.org/wiki/Virgem_das_Rochas

Esquerda: “Fiordes Noruegueses”. Fotografia de autoria desconhecida
Direita: “A Virgem dos Rochedos” Leonardo Da Vinci (1483–1486) Museu do Louvre

A composição como um todo da ilustração desta semana é dinâmica e cria também uma forte sensação de movimento combinando forma e cor. A figura do dragão forma uma grande espiral, que guia os nossos olhos no sentido da leitura (cima para baixo, esquerda para a direita). Nessa “diagonal” estão todos os elementos importantes da cena. As esferas amarelas ajudam a equilibrar o peso das figuras maiores se distribuindo em vários pontos da ilustração, inclusive na base, à direita, onde termina a leitura:

Arte_04

Princípios como esses são destaque na história da arte através de artistas como os da Op Art: “O termo foi incorporado à história e à critica de arte após a exposição The responsive eye [O olhar compreensivo, MoMA/NY, 1965], para se referir a um movimento artístico que conhece seu auge entre 1965 e 1968. Os artistas envolvidos com essa vertente realizam pesquisas que privilegiam efeitos óticos, em função de um método ancorado na interação entre ilusão e superfície plana, entre visão e compreensão. Dialogando diretamente com o mundo da indústria e da mídia (publicidade, moda, design, cinema e televisão), os trabalhos da Op Art enfatizam a percepção a partir do movimento do olho sobre a superfície da tela. Nas composições – em geral, abstratas – linhas e formas seriadas se organizam em termos de padrões dinâmicos, que parecem vibrar, tremer e pulsar. O olhar, convocado a transitar entre a figura e o fundo, a passear pelos efeitos de sombra e luz produzidos pelos jogos entre o preto e o branco ou pelos contrastes tonais, é fisgado pelas artimanhas visuais e ilusionismos.”

“Zebras”  Victor Vasarely 1932 - 1942

“Zebras”
Victor Vasarely
1932 – 1942

O comentário anterior fica muito claro ao olharmos a imagem acima e compararmos com a ilustração desta semana. As figuras ocupam o espaço de forma que fazem nossos olhos percorrerem uma curva ou espiral que gera ritmo e nos faz reconhecer os detalhes da imagem pouco a pouco. Observe suas composições e note quais padrões você inconscientemente escolhe para distribuir as formas, garanto que aprenderá muito!

Não se esqueçam de acompanhar nosso blog e sigam-nos no Facebook para mais dicas. Abraço a todos, e até a próxima!

Vitor Gorino

...Shares
Esta entrada foi publicada em Dica do Professor e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta